sábado, 8 de abril de 2017

Homens imprudentemente poéticos ₪ Valter Hugo Mãe



Existem aqueles escritores que nós reconhecemos porque veem o mundo da mesa forma que nós, dão força aos nossos sentimentos mais presentes e fazem-nos sentir que não estamos sozinhos. Depois existem aqueles que despertam em nós sensações adormecidas que também reconhecemos mas de uma forma longínqua e associadas a algum um momento ou fase da nossa vida. E depois existem os outros que nos transmitem sensações novas, de visões do mundo que não temos, mas que pela sua escrita e descrição conseguimos sentir.

Para mim Valter Hugo Mãe está nesta última categoria. Eu não vejo o mundo como ele, eu não sinto o mundo como ele… antes de o ler.

Um livro extremamente poético onde existe uma melancolia e uma fatalidade que envolve a jovem cega Matsu, o jardim da floresta, o quimono da senhora Fuyu, os animais assassinados por Itaro… onde existem o amor, a inveja, a ira, a bondade… onde existe o fundo do poço, escuro, frio húmido, habitado pelo remorso em forma de fera.

“O oleiro dava-lhe as graças e assim se reconheciam. Sabiam que ambos se debatiam com feras eminentes. Predadores que haveriam de destruir tudo o que de mais sagrado tinham. A jovem Matsu percebia o quimono movido ao vento e sorria tristemente. Tinha dúvida nenhuma de que, como Saburo, sucumbiria também em breve, ineficaz nas palavras, marcada pelo destino.
A criada Kame gritava: musumé, onde estás tu. E a jovem Matsu respondia: no teu coração. A criada voltava a gritar: e mais onde. Matsu respondia: ao sol. Estou aqui encostada ao sol. Era como se o sol se estendesse até tocar no corpo ao abandono da jovem. A criada juntava-se-lhe e culpava-se de parar os trabalhos por um instante. Por vezes, escolhiam a fome em troca de um mínimo de sossego. A felicidade podia acontecer num ínfimo instante, ainda que a fome se mantivesse e até a sentença para sofrer. O sofrimento nunca impediria alguém de ser feliz.”

214 páginas
Porto Editora

Nenhum comentário:

Postar um comentário